Quando o Shabat Começava no Sábado

Quando começa o Shabat, isto é, o sábado religioso? Até muitas crianças pequenas hoje em dia saberiam dizer que começa no pôr-do-sol da sexta-feira e vai até o crepúsculo do sábado.

Isso parece tanto óbvio, quanto unânime. Mas, nem sempre foi assim. E essa convicção também expressa uma vitória política de um dado segmento, que se impôs sobre as demais.

Rashbam e o Dia do Gênesis
Muitas pessoas acham que o próprio texto de Gênesis 1 já deixa claro que o dia bíblico começa ao pôr-do-sol. Porém, isso está longe de ser assim tão simples. E, para entender e resgatar a história, devemos olhar para o texto hebraico.

O texto da Torá diz:
וַיְהִי-עֶרֶב וַיְהִי-בֹקֶר, יוֹם אֶחָד
wayehi-`erev wayehi voqer, yom e’had.

Embora todos compreendam que os dias no Gênesis não são literais, a maioria das pessoas está acostumada a ler o versículo acima como se dissesse: “E houve tarde e houve manhã, primeiro dia”, com uma inferência de que primeiro veio a noite e depois o dia.

Mas, há quem diga outra coisa. Por exemplo, Rashbam, um dos maiores comentaristas bíblicos de todos os tempos, escreveu o seguinte sobre essa passagem.

“A Luz sempre antes e depois a escuridão. ‘E foi tarde e foi manhã’ – Aqui não está escrito: ‘E foi noite e foi dia’, mas sim, ‘e foi tarde e foi manhã’ – o primeiro dia se tornou noite e o sol se pôs. E tornou-se manhã, a manhã sucedendo a noite, pois a alva irrompeu…’

O texto não chega ao ponto de afirmar que a tarde e a manhã são parte de um único dia, pois só precisa explicar como houve seis dias – que a manhã irrompeu e a noite se concluiu: Eis que um dia foi concluído e outro começou.” (Comentário de Gênesis 1:4-5)

A maneira como Rashbam entende o texto tem ganhado cada vez mais força no meio acadêmico. Isso porque o texto hebraico não é muito claro. Tudo isso por causa de uma pequena ambiguidade nas palavras.

Yehi [יהי], traduzido como “e houve” pode ser usado para se referir a algo que ocorreu, ou a algo que acabou de chegar. Ou seja, podemos traduzir essa passagem como “e surgiu a tarde; e surgiu a manhã”, dando uma ideia de que a tarde veio primeiro.

Mas, também podemos traduzir como “e entardeceu; e amanheceu” – que é exatamente como Rashbam faz sua leitura. Isto é, entardeceu porque o dia acabou, e amanheceu porque a noite acabou. Ou seja, o segundo dia começaria ao amanhecer.

Dia ou Noite, na Bíblia Hebraica?
A Bíblia Hebraica, como um todo, também não é totalmente clara. Há passagens que parecem indicar que a contagem do dia começa de manhã. E há outras que parecem indicar que a contagem do dia começa ao anoitecer.

Por exemplo, Neemias 13:19 diz: “Sucedeu, pois, que, dando já sombra nas portas de Jerusalém antes do sábado, ordenei que as portas fossem fechadas; e mandei que não as abrissem até passado o sábado; e pus às portas alguns de meus servos, para que nenhuma carga entrasse no dia de sábado.”

A leitura tradicional é a de que o sábado – o shabat judaico – estava prestes a começar, logo ele fechou os portões. Mas, há quem achasse que ele fechou os portões porque não faria sentido sair no meio da madrugada, no escuro, pra ir fechar os portões.

Como o propósito do Portal “O Herege” é dar voz às leituras alternativas, frequentemente esquecidas, o foco deste artigo será essa leitura alternativa. Não porque seja mais provável, mas por ser a mais desconhecida.

Por exemplo, Levítico 7:15 diz: “Mas a carne do sacrifício de ação de graças da sua oferta pacífica se comerá no dia do seu oferecimento; nada se deixará dela até à manhã.”

Aqui temos a dinâmica do Templo funcionando com o dia começando pela manhã. Comentando esse versículo, o Talmude Babilônio chegar a afirmar que havia dois dias: o do Templo, e o do calendário convencional: “Acerca da consagração [de ofertas], a noite sucede o dia.” (b. Terumá 14a)

Calendário Pré e Pós-Exílico?
Ainda sobre isso, o rabino comentarista Israel Drazin afirma: “É bem conhecido que os judeus começam seu dia à noite, ao pôr do sol, não à meia-noite e nem ao nascer do sol, mas nem sempre foi assim. Muitos acadêmicos estão convencidos de que o dia bíblico israelita começava ao raiar do dia. É possível que os judeus que se exilaram na Babilônia aceitaram a prática babilônia de começar o dia na noite anterior…

Muitos acadêmicos crêem que os saduceus, que viveram durante os últimos séculos do período do Segundo Templo, continuaram o costume antigo de começar o dia pela manhã… alguns caraítas, uma seita que começou no século nove e seguiu muita das tradições dos saduceus, começava o Shabat na manhã de sábado.”

Comunidades Hereges, que Observavam o Amanhecer
O fato realmente é bem conhecido de todo aquele que já estudou o desenvolvimento do calendário em Israel. Mas, este é um texto de conteúdo histórico, não apologético. Ou seja, a dúvida é: Existiram mesmo historicamente judeus que observavam o Shabat a partir do nascer do sol de sábado?

A resposta é afirmativa. Isso pode ser visto num comentário do exegeta Ibn `Ezra (1093-1167), enfurecido com a prática. Referindo-se a Êxodo 16:25, ele afirma: “Muitos infiéis têm sido enganados acerca desse versículo (Ex. 16:25) e têm dito que somos ordenados a cumprir o dia de Shabat e a noite seguinte. Pois Moisés disse: ‘Pois hoje é o sábado do Eterno’ e não ‘a noite anterior.’ (Comentário de Êxodo 16)

Cerca de um século depois, Benjamin de Tudela (1130-1173) também atesta para esse costume quando escreve sobre judeus da região do Chipre: “Lá pode-se encontrar tanto judeus rabínicos quanto caraítas. E lá também há seitas judaico-cipriotas que desprezam a lei e são excomungados de Israel em toda parte. E eles profanam a véspera do Shabat e observam a noite que antecede o domingo.”

Considerando que a prática é atestada até, pelo menos, o século 12 d.e.c, pode-se perceber que o tema era encarado com muita seriedade por essas comunidades, pois o preço que pagaram por se manterem fiéis às suas convicções foi muito alto.

Excomungados por terem uma convicção bíblica diferente, e assim condenadas ao isolamento, essas seitas judaicas acabaram se extinguindo.

Hereges também no Cristianismo?
Curiosamente, não é apenas no meio judaico que a questão surgiu. No meio cristão, os adventistas do sétimo dia são conhecidos como os maiores proponentes da observância do sábado, embora o façam de forma totalmente diferente dos judeus da atualidade, ou mesmo dos tempos antigos.

Um dos maiores acadêmicos adventistas, conhecido por sua obra From Sabbath to Sunday, o Dr. Samuele Bacchiocchi (1938-2008) num artigo acadêmico admite a possibilidade do registro bíblico ser lido como referência ao nascer do sol.

Ele utiliza essa possibilidade para propor soluções para a observância do sábado em lugares onde os dias são muito longos no verão e muito curtos no inverno como, por exemplo, nos países escandinavos, bem como para justificar as práticas do princípio de sua religião, no qual muitas comunidades observavam o sábado religioso de um horário fixo, das 18h da sexta às 18h de sábado.

Ele também afirma: “Durante os 10 primeiros anos de sua história, os adventistas geralmente observavam o sábado das 18h de sexta às 18h de sábado, apesar de alguns terem guardado do amanhecer ao amanhecer…

James White escreveu: ‘… alguns mantêm que o sábado começava ao amanhecer enquanto outros afirmavam que a evidência bíblica é a favor do pôr do sol.’”

Ele também chega a dizer, no mesmo artigo: “Não é surpresa que tenhamos visto indícios da existência na Bíblia de tempos em que um método de contar [o dia] do amanhecer…” E ainda conclui, para surpresa de muitos: “É importante observar que, no fim, o método de observar o sábado do pôr-do-sol ao pôr-do-sol é ditado não pelo quarto mandamento em si, mas pelo método de observância do pôr-do-sol ao pôr-do-sol que se tornou normativo na história judaica.”

Como se pode, portanto, perceber, a questão afetou tanto comunidades judaicas quanto cristãs, mesmo que essas últimas sejam bem posteriores.
É bem provável que houvesse ainda muitas outras de ambos os lados, apagados pelas águas do revisionismo histórico promovido pelos vencedores.

Conclusão Herege
É importante deixar claro que o autor herege acha irrelevante o horário que se começa ou termina o repouso sabático. O objetivo, como é o propósito do site, é apresentar uma ideia diferente, heterodoxa, que estava praticamente esquecida no passado.

Assim como é importante dizer que a questão não está fechada. Há ótimos argumentos de ambas as partes. Isto é, também há boas razões para supor que o dia comece ao pôr-do-sol. Como dito, por ser a visão mais tradicional, O Herege se ocupou de falar sobre a visão derrotada, que se tornou minoritária.

Há, contudo, uma lição quanto à questão da excomunhão dos judeus de Chipre: Excluir pessoas de seu convívio simplesmente porque, ao ler a Bíblia, chegam a uma conclusão diferente da sua é fanatismo.

O mesmo pode ser dito quanto àqueles artigos que, com ferocidade, combateram essa conclusão de Bacchiochi como se ele estivesse convocando as pessoas a adorar o capeta sacrificando bebês.

Felizmente, hoje em dia parece que essas coisas já causam um impacto bem menor do que um dia tiveram. Ainda assim, a voz da minoria não deve, e o conhecimento do que lhe aconteceu, não deve ser esquecida.

Bibliografia
BACCHIOCCHI, Samuele. The Reckoning of the Sabbath. Andrews University.

DRAZIN, Israel. Why Women Must Star Shabbat Before Men. Israel Drazin’s Books and Thoughts. Disponível em: <http://booksnthoughts.com/why-women-must-start-shabbat-before-men/>. Acessado em 28 Jun. 2017.

TALMON, Shemaryahu. King, Cult and Calendar in Ancient Israel: Collected Studies (Ancient Near East). Leiden: Brill, 1986.

Ibn Ezra’s Commentary on The Pentateuch: Exodus (Shemot). Arthur M. Silver; H. Norman Strickman. Nova Iorque: Menora Pub. Co., 1997.

Rashbam on Genesis. Sefaria Community Translation. Disponível em <http://www.sefaria.org/Rashbam_on_Genesis?lang=bi> Acessado em 28 Jun. 2017.

The Itinerary of Benjamin of Tudela. Marcus Nathan Adler. Londres: Oxford University Press, 1907.

Felipe Moura

Felipe Moura

Felipe Moura é judeu, teólogo, herege e não se responsabiliza pelo destino da sua alma se você ler as informações contidas neste site.

Os textos postados aqui no Portal O Herege visam levar conhecimento de conteúdo histórico e não necessariamente expressam a visão de mundo ou as crenças do autor.

2 thoughts on “Quando o Shabat Começava no Sábado”

  1. Fui adventista muitos anos. Cristão muitos anos.
    Monoteísta convicto a alguns anos, após a abertura deste entendimento, amo os religiosos sinceros aguardo um dia todos falarmos a mesma língua.

    1. Enquanto não falarem a mesma língua, nós estaremos aqui para dar voz aos hereges e não deixar que seus pensamentos sejam esquecidos. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *